sábado, 15 de julho de 2017

Os Falsos Profetas

falso profeta 2
A Bíblia diz que os falsos profetas são perigosos e causam muitos problemas.
Deus não se agrada dos falsos profetas, porque falam mentiras em Seu nome.
Um profeta é uma pessoa que recebe e transmite uma revelação de Deus. Um falso profeta não recebe uma revelação de Deus mas diz que recebeu...
O falso profeta engana as pessoas com mensagens falsas, que não vêm de Deus.
Jesus avisou que nos últimos tempos iriam surgir muitos falsos profetas para enganar até os crentes. Por isso, quando alguém diz que é profeta, é muito importante analisar a profecia à luz da Bíblia para ver se é verdadeira ou falsa.
Algumas características de falsos profetas:
1 – Suas profecias não se cumprem – Se a profecias não se cumprem, não vem de Deus;
2 – Contradizem a Bíblia – Ensinam coisas erradas, que não estão de acordo com o que a Bíblia diz;
3 – Causam problemas – Provocam divisões, controvérsias e contendas entre os irmãos da Igreja;
4 – São manipuladores - Os falsos profetas procuram satisfazer desejos egoístas, como ter poder, dinheiro ou influência; usam engano, chantagem emocional, medo, bajulação para conseguirem o que querem;
5 – Não ouvem a verdade – Quando confrontados com a verdade, não se arrependem nem aceitam nenhuma dúvida; muitos falsos profetas saem das Igrejas para criar movimentos novos porque não aguentam ouvir a verdade.
Os falsos profetas começaram a aparecer já nos dias dos apóstolos. Desde aquele tempo as sementes do erro têm sido lançadas.
Desde então, eles têm aparecido continuamente. Precisamos estar preparados contra eles, mantendo-nos sempre em guarda.
Há milhares de pessoas que parecem estar sempre prontas a crer em qualquer coisa que ouvirem desde que, venha dos lábios de alguém que tenha o título de ministro religioso.
Esquecem-se que um clérigo pode errar, tanto quanto um leigo. Eles não são infalíveis. O que eles ensinam precisa ser confrontado com os ensinamentos das Sagradas Escrituras. Só devemos seguir tais ministros, e crer no que ensinam enquanto as doutrinas por eles ensinadas concordarem com a Bíblia, e nem uma palavra a mais.
Devemos fazer prova deles, pelos “seus frutos”. Sã doutrina e vida santa são sinais característicos dos verdadeiros profetas.
Os erros dos nossos ministros não justificam os nossos próprios erros. “Se um cego guiar outro cego, cairão ambos no barranco” Mateus 15:14.
Qual a melhor salvaguarda contra falsos ensinamentos? Sem sombra de dúvida, a resposta é o estudo regular da Palavra de Deus, sempre acompanhado de uma oração que rogue a iluminação do Espírito Santo.
A Bíblia foi-nos outorgada para ser uma lâmpada para os nossos pés e luz para os nossos caminhos – Salmos 119:105.
Deus não permitirá que quem a ler corretamente caia em algum erro irremediável.
A negligência para com a Bíblia é que faz tantas pessoas se tornarem presas fáceis do primeiro falso mestre que aparecer. A verdade pura e simples é que são pessoas preguiçosas, negligenciam a leitura da Bíblia e não querem ter o trabalho de pensar por si mesmos. Não existe nada que forneça tantos seguidores para os falsos profetas do que a preguiça espiritual, disfarçada sob uma capa de humildade.
Lembremo-nos que não são apenas o mundo, o diabo e a carne únicos perigos no caminho do cristão. Há outro, o “falso profeta”, o lobo disfarçado de ovelha.
Feliz é quem estuda a Bíblia e ora, e sabe a diferença entre a verdade e o engodo, na religião!
Respostas Bíblicas
J.C. Ryle
Pb. João Placoná
























quinta-feira, 6 de julho de 2017

Por que sofrer?

sofrimento

Jesus ensinou que o mundo visto da perspectiva de Deus está posicionado a favor dos oprimidos.

Este ensino aparece no Sermão do Monte e em outras declarações de Jesus: “ Muitos primeiros serão os últimos” (Mt 19:30; Marcos 10:31; Lucas 13:30) “... e o que se humilha será exaltado” (Lucas 14:11; 18:14).

Entretanto, por que Deus escolheria dar atenção especial para os oprimidos?

1 – O sofrimento nos ajuda a perceber nossa urgente necessidade de redenção

2 – O sofrimento nos ajuda a experimentar nossa dependência de Deus e a interdependência uns dos outros.

3 – O sofrimento nos ajuda a estabelecer a diferença entre necessidades e luxos.

4 – O sofrimento nos ajuda a responder ao chamado do
Evangelho, pois ficamos tão desesperados que clamamos a Deus.

Os pobres, os famintos, os que choram e aqueles que sofrem são bem-aventurados (Mateus 5:3-6), porque a falta de autossuficiência é evidente para eles todos os dias. Eles precisam recorrer a alguma fonte para encontrar força.

As pessoas que são ricas, bem-sucedidas e belas podem viver seus dias confiando em seus dons naturais. No entanto, as necessitadas, dependentes e insatisfeitas com a vida estão propensas a acolher o dom gratuito do amor de Deus.

“Bem-aventurados os humildes de espírito...” Por quê? Porque...”deles é o reino dos céus” (Mateus 5:3).

Quanto mais fracos nos sentirmos, maior será a nossa dependência de Deus.

Nosso Andar Diário

Pb. João Placoná