sexta-feira, 23 de outubro de 2015

Seria Paulo um Pregador Pentecostal?

Paulo 2

Vivemos numa época em que muitos pregadores se intitulam pentecostais sem sequer saberem o que significa ser um pentecostal.

Por outro lado, muitos pentecostais ignorando a diferença entre o pentecostalismo e pseudopentecostalismo, colocam ambos os segmentos no mesmo bojo. Daí ser importante dizer que as verdades pentecostais – termo empregado pelos teólogos pentecostais para designar as doutrinas paracletológicas – não foram inventadas pelas igrejas pentecostais.

Se vivesse hoje, Paulo seria chamado de pregador pentecostal? Sim.

As instruções contidas nas passagens de 1 Coríntios 12:1-4, Efésios 5:18-19 e 1 Tessalonicences 5:19-21, especialmente, provam que Paulo vivia e propagava as doutrinas do Espírito Santo conhecidas como verdades pentecostais.

Em Atos 9 e 13, vemos que ele foi e permaneceu cheio do Espírito Santo. E a sua conduta em Éfeso, em sua terceira viagem, é a principal evidência de que ele era um autêntico pregador pentecostal. “E impondo-lhes Paulo as mãos, veio sobre eles o Espírito Santo; e falavam línguas e profetizavam” (At 19:6).

Não pense que Paulo mudaria o evangelho, caso viesse em nossos dias, mas, com certeza Paulo não seria um pregador espalhafatoso, animador de auditório ou humorista. Ele também não usaria técnicas psicológicas para “curar” a alma nem seria um showman. E, com certeza, se irritaria com a falta de ordem nos cultos e com as inúmeras bizarrices do “mundo gospel” que, pouco a pouco, foram sendo incorporadas ao culto por meio da manipuladora técnica de introjeção de heresias dos falsos apóstolos da atualidade.

Paulo reafirmaria tudo o que escreveu em 1 Coríntios 14, pontificando que o verdadeiro culto é formado por salmos, doutrina, revelação, língua e interpretação (v.26).

Nos dias atuais em que o ser humano tem sido endeusado, a mensagem pregada por Paulo seria 100% cristocêntrica. Ele jamais negociaria o inegociável, mas pregaria com certeza o evangelho da cruz de Cristo.

Ele daria maior importância à vitória sacrificial de nosso Senhor Jesus Cristo e não trocaria a simplicidade que há em Cristo pela sofisticação dos modelos de crescimento numérico, como “igreja emergente”, “igreja com propósitos”, “igreja em células”, etc.

Afinal, o que salva, de fato, não é o discipulado, que hoje, tem sido mais valorizado que o próprio evangelho, é o Espírito Santo quem convence o pecador do pecado, da justiça e do juízo (Jo 16:8-11) e o insere no Corpo de Cristo como uma nova criatura (1 Co 12:13).

Paulo com certeza pregaria sobre ressurreição, sobre o arrebatamento, que a nossa cidade está nos céus, de onde esperamos o Senhor e Salvador Jesus Cristo, que transformará o nosso corpo abatido, mortal, sujeito às enfermidades, em um glorioso, incorruptível, semelhante ao de Jesus (Fp 3:20,21).

Nestes tempos pós-modernos, Paulo teria muitos inimigos, insensíveis, céticos, amantes de sua própria “verdade”. As feministas e os ativistas homossexuais teriam ódio dele.

Ele seria tratado de machista e preconceituoso. Os pregadores da Teologia da Prosperidade detestariam as suas críticas. As celebridades do “mundo gospel” ironizariam a sua conduta contrária ao fã-clube.

Muitos teriam vontade de calá-lo, mas, ele jamais se intimidaria e continuaria pregando “Não erreis: Deus não se deixa escarnecer; porque tudo o que o homem semear, isso também ceifará” (Gl 6:7).

Pr. Ciro Zibordi

Pb. João Placoná

quarta-feira, 21 de outubro de 2015

Estamos em guerra… Que guerra?

guerra

Pelo caminho por onde vier, por ele voltará, porém nesta cidade não entrará, diz o Senhor. II Reis 19:33.

Soldados valentes, nunca fogem das batalhas, não olham se o tempo está apropriado ou desfavorável, pois, não são as consequências que os encorajam a prosseguir, mas, o objetivo que está em seus corações. Mesmo na adversidade, um verdadeiro guerreiro não recua diante das duras provas, pode acontecer o que for; um valente não abre mão da sua conquista.

Em batalhas, só os fortes sobrevivem, os fracos retrocedem, desistem, caem; aquele que tem sede de vitoria, luta até suas forças esvaírem-se, mesmo que fique ferido, ele não entrega os pontos.

Jamais alguém poderá saber o resultado de determinada coisa se não for até o final.

Aquele que se deixar vencer pelo medo é covarde até a morte, este, jamais terá capacidade para conquistar coisas grandes, pois amedrontar-se faz parte do seu viver, assim como vencer o medo, é obrigação para continuar vivo.

O guerreiro traz sobre os seus lombos a marca de um combatente, em seu peito está cravado a resistência, em sua vida está empunhada a determinação.

Os grandes sabem que é preciso ter coragem e não acovardar-se diante das muralhas que se projetam, não existem limites para quem deseja alargar suas tendas.

Assim é a vida do Servo do Senhor, ele entende que sempre há saída, mesmo que esteja tudo fechado e lacrado, porque a saída está dentro dele e não no espaço que ele está. É a sua fé que irá produzir degraus, que o suspenderá as alturas, é a convicção do seu coração que o fará vencer sobre quaisquer tempestades.

O Servo do Senhor sabe que sempre está em guerra, mesmo que existiam dias de tréguas ele não pode abaixar a guarda. O guerreiro de Deus não para por causa das ameaças, nem por causa das grandes multidões adversárias; o servo do Senhor sabe que aquele que está do seu lado é maior.

Esforçai-vos, e tende bom ânimo; não temais, nem vos espanteis, por causa do rei da Assíria, nem por causa de toda a multidão que está com ele, porque há um maior conosco do que com ele. II Crônicas 32:07.

Em tempo de guerra, temos que se ficar em vigilância constantemente, um descuido, podemos nos tornar alvo dos dardos do inimigo. O Soldado de Deus entende que aquele que se opõe a nós terá que prestar contas com nosso General, é Ele quem vencerá as nossas pelejas, precisamos apenas confiar Nele e descansar nas suas promessas.

Com ele está somente o poder humano, mas conosco está o Senhor nosso Deus, para nos ajudar e para guerrear nossas guerras. E o povo descansou como disse Ezequias, rei de Judá. II Crônicas 32: 08.

O Exercito de Deus, vive cercado por colunas indestrutíveis, colunas estas, intocáveis ao ser humano, porque elas provém do próprio Deus. E os guiaste de dia por uma coluna de nuvem, e de noite por uma coluna de fogo, para os alumiares no caminho por onde haviam de ir. Neemias 09:12

Quando o Senhor diz que nossa batalha é Dele, precisamos descansar nesta palavra, ainda que tudo pareça ao contrário, porque o nosso Deus não é homem para que minta, nem filho do homem para que volte atrás, nada daquilo que Ele determinou alguma vez, veio a frustrar-se.

Palavra alguma falhou de todas as boas palavras que o Senhor falara à casa de Israel: tudo se cumpriu. Josué 21:45.

Em densas guerras precisamos ficar refugiados no abrigo de Deus, escondermo-nos debaixo das suas asas, buscar à sua face, porque certamente, Ele irá nos responder com a sua vitoria sobre nossa vida, é só esperar, veremos acontecer os grandes feitos do Senhor sobre nós. Deus irá nos revelar com grandiosidades, bênçãos sem medidas.

Clama a mim, e responder-te-ei, e anunciar-te-ei coisas grandes e firmes, que não sabes. Jeremias 33:03.

O nosso Deus jamais permitirá que sejamos envergonhados, Ele enviará seu anjo forte em nosso favor, envergonhados e confundidos serão todos os quantos se levantam contra nós.

Então o Senhor enviou um anjo que destruiu a todos os varões valentes, e os príncipes, e os chefes no arraial do rei da Assíria. E este tornou com vergonha de rosto a sua terra [...] II Crônicas 32:21.

Valentes de Deus! Não temais e nem vos espanteis, não existe outro igual ao nosso Deus. Ele é Poderoso nas batalhas, apenas confiem e avancem, quem tem que retroceder é o inimigo, ele pode vir até você por um caminho, mas por sete terá que voltar.

Que a paz do Senhor, o amor do Pai, e a Comunhão do Espírito Santo esteja contigo, hoje e sempre.

Pra. Elza Carvalho

Pb. João Placoná                          

terça-feira, 20 de outubro de 2015

Confortando a alma

Tutuca com problemas

Eu sei que a caminhada não tem sido fácil, às vezes pensamos em parar e desistir, mas o que tenho para te dizer hoje é: "Continue".

A gente acha que não consegue atravessar o deserto da tristeza, que a tempestade nunca acaba, que a lágrima não cessa, que a dor não passa...

Mas, aí Deus vem e nos dá calma pra tristeza, ameniza a tempestade, consola a lágrima, tranquiliza o coração e pacifica o nosso ser, mesmo quando achamos que tudo é impossível.

Deus conhece bem o nosso coração, sabe até onde ele poderá aguentar, sabe até onde seus pés podem caminhar e quais pesos nossos ombros podem suportar.

Continue mesmo sem entender o que está acontecendo, tudo é plano de Deus para que se cumpra o melhor em sua vida.

Creia, Deus vai te surpreender!

Nada de tristeza, nada de lamentação, nada de problemas... Deus te colocou de pé e te deu um dia novinho em folha, agora só depende de você fazer dele o melhor de todos!

Nenhuma felicidade é maior do que a Paz de espírito. Se tiver nos planos de Deus, vai acontecer.

Não importa o que as pessoas dizem, não importa o que o mundo pensa. NADA, absolutamente nada impede o agir de DEUS!

Nunca te arrependas de um dia de tua vida. Os bons dias te dão felicidade. Os maus te dão experiência. Ambos são essenciais para a vida. A felicidade te faz doce. Os problemas te mantêm forte. As penas te mantêm humano. As quedas te mantêm humilde. O bom êxito te mantém brilhante. Mas, só Deus te mantém caminhando.

Trilhe o caminho da paciência, busque a melhor resolução até nos piores momentos.

Abrace com carinho a persistência, as situações difíceis são oportunidades para crescer.

Entrega seus problemas nas mãos do Senhor Jesus, e ele cuidará de ti.

Não busque soluções para nada, sem antes orar para o Senhor, porque às vezes ele não estará no desejo do seu coração.

Portanto vigiai e orai sem cessar, só assim vencerás todos os tropeços que aparecerem em seu caminho.

Lembre-se sempre, o cair é do homem, mas o levantar é de Deus, o Senhor sustém os que vacilam e apruma todos os prostrados. Salmo 145.14 confie no Senhor em todas as situações ele estará sempre contigo!

Deus te coloca no deserto, mas não te desampara! 

Em todo momento ele está contigo, te cuidando, guardando-o, protegendo-o de todo mal.

Afinal você é filho D’Ele!

Doses de Conforto

Pb. João Placoná

domingo, 18 de outubro de 2015

O Perdão é o cancelamento da dívida

perdoar

Leia: Mateus 18:21-35

21 Então Pedro chegou perto de Jesus e perguntou: - Senhor, quantas vezes devo perdoar o meu irmão que peca contra mim? Sete vezes?

22 Não! - respondeu Jesus. - Você não deve perdoar sete vezes, mas setenta e sete vezes.

23 Porque o Reino do Céu é como um rei que resolveu fazer um acerto de contas com os seus empregados.

24 Logo no começo trouxeram um que lhe devia milhões de moedas de prata.

25 Mas o empregado não tinha dinheiro para pagar. Então, para pagar a dívida, o seu patrão, o rei, ordenou que fossem vendidos como escravos o empregado, a sua esposa e os seus filhos e que fosse vendido também tudo o que ele possuía.

26 Mas o empregado se ajoelhou diante do patrão e pediu: "Tenha paciência comigo, e eu pagarei tudo ao senhor."

27 O patrão teve pena dele, perdoou a dívida e deixou que ele fosse embora.

28 O empregado saiu e encontrou um dos seus companheiros de trabalho que lhe devia cem moedas de prata. Ele pegou esse companheiro pelo pescoço e começou a sacudi-lo, dizendo: "Pague o que me deve!"

29 Então o seu companheiro se ajoelhou e pediu: "Tenha paciência comigo, e eu lhe pagarei tudo."

30 Mas ele não concordou. Pelo contrário, mandou pôr o outro na cadeia até que pagasse a dívida.

31 Quando os outros empregados viram o que havia acontecido, ficaram revoltados e foram contar tudo ao patrão.

32 Aí o patrão chamou aquele empregado e disse: "Empregado miserável! Você me pediu, e por isso eu perdoei tudo o que você me devia.

33 Portanto, você deveria ter pena do seu companheiro, como eu tive pena de você."

34 O patrão ficou com muita raiva e mandou o empregado para a cadeia a fim de ser castigado até que pagasse toda a dívida.

35 E Jesus terminou, dizendo: - É isso o que o meu Pai, que está no céu, vai fazer com vocês se cada um não perdoar sinceramente o seu irmão.

Falar de perdão é uma coisa muito difícil, porque sempre achamos que só nós precisamos receber o perdão das pessoas, mas temos dificuldades em liberar perdão.

Sempre nos apresentamos como vítimas da situação e queremos que o Senhor faça justiça.

Não nos damos conta quando magoamos alguém, mas sabemos quando alguém nos magoa.

Como Deus age nesta situação? Ele age quando nós perdoamos a pessoa que nos magoou.

Quando alguém nos fere, na maioria das vezes, nós dizemos: “você me paga”.

Qual é o preço desse pagamento?

Perdoar é o cancelamento dessa dívida.

Perdoar é esquecer a dívida.

Algumas pessoas ao serem magoadas, dizem para outra: “você vai se rastejar aos meus pés”, ou “você vai perder tudo para reconhecer que eu estava certa”.

Para perdoar não é preciso perder tudo.

Quando estamos magoados com alguém, colocamos um alto preço, para a outra pessoa pagar.

Às vezes dizemos: “tomará que essa pessoa quebre a cara para que possa aprender”. Somente depois que ela reconhecer os seus erros eu a perdoarei.

Cada pessoa determina um preço, um valor que o outro deve pagar.

Perdão é liberar a dívida da outra pessoa!

Nós esperamos que Deus faça justiça e até chegamos ao ponto de amaldiçoar a pessoa que nos feriu.

Deus não age dessa maneira. Deus sempre nos ensina que devemos perdoar.

O propósito de Deus para o perdão é querer o bem para o outro.

Se Deus quer abençoar as pessoas, como eu peço para Deus destruir a pessoa que me magoou? Isso é contra a vontade de Deus.

O Senhor nos perdoa das nossas dívidas, mas nós não queremos perdoar quem nos magoou.

Se agirmos desta forma, o texto da palavra de Deus nos ensina que nós seremos lançados na prisão até que nossas contas sejam quitadas. V.34 “O patrão ficou com muita raiva e mandou o empregado para a cadeia a fim de ser castigado até que pagasse toda a dívida.”

Qual o valor da conta?

Quem cobra são os atormentadores, isto é, a cobrança fica na sua cabeça te martelando dia e noite. Isso é um tormento, uma prisão.

O Senhor esta dizendo: “perdoa porque Eu te perdoei”.

O que devo perdoar?

- Violência física. Existem pessoas extremamente violentas, grosseiras, usam da força para resolver suas divergências. Não sabem argumentar, só sabem repreender de maneira exagerada. Existem muitas pessoas feridas por estarem vivendo esse tipo de violência.

-Violência verbal. Muitas vezes, as palavras, são mais poderosas que um tiro no peito. Quando utilizamos palavras duras com nossos filhos, entes queridos ou pessoas próximas estamos na verdade, violentando- as verbalmente.

-Violência sexual não é só o estupro. Quando o marido submete a esposa a fazer coisas contra a sua vontade está praticando violência contra ela.

-Violência facial. Quando a pessoa demonstra que está insatisfeita, com a cara fechada, brava, olhar de ódio e de insatisfação com o outro. É possível estragar o dia da outra pessoa só pela aparência facial.

-Violência religiosa. Quando se utiliza formas erradas para ensinar as pessoas sobre a palavra de Deus. Por exemplo, quando dizemos para outra pessoa: “se não for para a igreja, o diabo vai te destruir” ou “você vai no amor ou na dor, vai por bem ou por mal”.

Quantas coisas nós fazemos que podem gerar magoa no coração das outras pessoas. Muitas vezes nem sabemos ou não percebemos o quanto afetamos a vida do nosso próximo.

Deus esta nos ensinando que precisamos perdoar para sermos perdoados.

Hebreus 12:14 Procurem ter paz com todos e se esforcem para viver uma vida completamente dedicada ao Senhor, pois sem isso ninguém o verá.

Precisamos exercitar o perdão.

Talvez você seja um acumulador de mágoas.

Perdão é um fundamento que precisamos praticar. Quanto mais exercitamos mais liberamos perdão.

Quando não perdoamos ficamos amargurados. A amargura gera frutos ruins e isso nos separa da Graça de Deu s(Favor de Deus).

A falta de perdão gera perturbação e o coração fica contaminado.

Mateus 5:43-45

43 Vocês ouviram o que foi dito: "Ame os seus amigos e odeie os seus inimigos."

44 Mas eu lhes digo: amem os seus inimigos e orem pelos que perseguem vocês,

45 para que vocês se tornem filhos do Pai de vocês, que está no céu. Porque ele faz com que o sol brilhe sobre os bons e sobre os maus e dá chuvas tanto para os que fazem o bem como para os que fazem o mal.

Precisamos orar e pedir para que Deus nos ajude a perdoar.

Devemos orar a Deus e pedir para que Deus abençoe a vida daquela pessoa que nos magoou.

Ao fazer isso o coração começa a liberar perdão.

Jó 42:7-10

7 Depois que acabou de falar com Jó, o SENHOR disse a Elifaz, da região de Temã: - Estou muito irado com você e com os seus dois amigos, pois vocês não falaram a verdade a meu respeito, como o meu servo Jó falou.

8 Agora peguem sete touros e sete carneiros, levem a Jó e ofereçam como sacrifício em favor de vocês. O meu servo Jó orará por vocês, e eu aceitarei a sua oração e não os castigarei como merecem, embora vocês não tenham falado a verdade a meu respeito, como Jó falou.

9 Então Elifaz, que era da região de Temã, Bildade, que era da região de Sua, e Zofar, que era da região de Naamá, foram e fizeram o que o SENHOR havia mandado, e ele aceitou a oração de Jó.

10 Depois que Jó acabou de orar pelos seus três amigos, o SENHOR fez com que ele ficasse rico de novo e lhe deu em dobro tudo o que tinha tido antes.

Depois de todo sofrimento de Jó, Deus se manifesta e pede para que Elifaz e seus amigos fossem até Jó para oferecer sacrifícios. Deus pede para que os amigos de Jó peçam perdão a ele. Deus esta honrando Jó.

A palavra de Deus nos ensina que devemos orar por aqueles que nos magoaram. Deus aceitará a nossa oração como aconteceu com Jó.

Você quer ser próspero? Você quer ter as bênçãos de Deus na sua vida?

Então, ore e libere perdão para todas as pessoas que te magoaram.

Talvez você já tenha perdoado as coisas mais recentes. E as coisas mais antigas?

Para ver as bênçãos de Deus, sobre a nossa vida, devemos perdoar.

Deus quer abençoar a sua vida e você quer ficar na prisão.

Veja a vida de Jó, apesar de tudo que sofreu, ele orou, perdoou e recebeu tudo em dobro, prosperidade em dobro.

O Espírito de Deus esta lhe ensinando, não acumule mágoas, o momento é de orar e perdoar aquele que te magoou.

Pastor Marlon Góes

Pb. João Placoná

quarta-feira, 14 de outubro de 2015

Existe uma oração de salvação?

minha salvação

"Existe uma oração que eu possa orar para alcançar a minha salvação?"

Ao considerar esta pergunta, é importante lembrar-se de que a salvação não é recebida através da repetição de uma oração ou certas palavras.

A Bíblia não registra em nenhum lugar uma pessoa recebendo salvação por orar. Fazer uma oração não é o meio bíblico de salvação.

O método bíblico de salvação é acreditar em Jesus. João 3:16 diz: “Porque Deus amou ao mundo de tal maneira que deu o seu Filho unigênito, para que todo o que nele crê não pereça, mas tenha a vida eterna”.

Salvação é adquirida através da fé (Efésios 2:8), ao receber Jesus como Salvador (João 1:12) e ao confiar plenamente nEle (João 14:6; Atos 4:12) – não por repetir uma oração.

A mensagem bíblica de salvação é simples, clara e surpreendente ao mesmo tempo.

Todos nós temos pecado contra Deus (Romanos 3:23). Não há um sequer que tenha vivido uma vida inteira sem pecar (Eclesiastes 7:20).

Por causa de nosso pecado, merecemos o julgamento de Deus (Romanos 6:23), e esse julgamento é a morte física seguida da morte espiritual.

Por causa de nosso pecado e seu castigo merecido, não há nada que possamos fazer por conta própria para nos justificar diante de Deus. Como um resultado do Seu amor por nós, Deus tornou-se um ser humano na Pessoa de Jesus Cristo.

Jesus viveu uma vida perfeita e sempre ensinou a verdade. Entretanto, a humanidade rejeitou Jesus e O pôs a morrer na cruz.

Jesus morreu em nosso lugar através daquele ato horrível. Jesus levou sobre si o peso e julgamento do pecado, e morreu por nós (2 Coríntios 5:21).

Jesus então ressuscitou dos mortos (1 Coríntios 15), provando que Seu pagamento pelo pecado era suficiente, e que Ele tinha vencido o pecado e a morte.

Como um resultado do sacrifício de Jesus, Deus nos oferece salvação como um presente. Deus nos convida a transformar nossas mentes sobre Jesus (Atos 17:30), e a recebê-lO como o pagamento completo por nossos pecados (1 João 2:2).

Salvação só é alcançada quando recebemos o presente que Deus nos oferece, não por simplesmente fazer uma oração.

Agora, isso não quer dizer que oração não possa fazer parte do processo de receber a salvação.

Se você entende o Evangelho, acredita na sua veracidade e aceitou Jesus como o seu Salvador - é bom e apropriado expressar sua fé a Deus em oração.

Comunicar-se com Deus através de oração pode ser um meio de progredir de simplesmente aceitar os fatos sobre Jesus como verdadeiros a plenamente confiar em Jesus como o Salvador.

A oração pode fazer parte do ato de colocar a sua fé apenas em Jesus para a salvação.

No entanto, é muito importante que você não baseie sua salvação em simplesmente ter feito uma oração.

O ato de simplesmente orar não pode salvá-lo! Se você quiser receber a salvação disponível através de Jesus, coloque sua fé nEle. Confie plenamente em Sua morte como o sacrifício suficiente para pagar pelos seus pecados. Dependa dEle completamente como o seu Salvador.

Esse é o método bíblico de salvação. Se você recebeu Jesus como seu Salvador, então se comunique com Deus através de uma oração. Diga a Deus o quão agradecido você é por Jesus. Louve a Deus por Seu amor e sacrifício. Agradeça a Jesus por ter morrido por seus pecados e por ter lhe providenciado a salvação. Essa é a conexão bíblica entre a salvação e a oração!

GotQuestions.org/Português

Pb. João Placoná

domingo, 11 de outubro de 2015

Saudades dos bons tempos da Igreja Evangélica











De alguns bons anos para cá a pregação centrada nas Escrituras começou a se tornar cada vez mais rara nos púlpitos dos grandes eventos.

Tem diminuído significativamente o número dos expoentes itinerantes da Palavra do Senhor, enquanto aumenta de modo considerável, a quantidade de pregadores malabaristas, animadores de auditório e milagreiros.

Creio que, em decorrência do falecimento de alguns expoentes que tinham um ministério itinerante e da queda espiritual de outros, durante a última década do século XX, houve um certo vazio no púlpito dos eventos de grande porte que exercem forte influência sobre os obreiros mais jovens e a lacuna demorou a ser preenchida.

Como resultado disso, “conferencistas internacionais”, verdadeiras celebridades, passaram a substituir os expoentes da Palavra de Deus, homens chamados verdadeiramente pelo Senhor para exercer um ministério itinerante e compromissados com a sã doutrina.

Hoje o modelo que encanta multidões ainda é o da pregação interativa, no melhor estilo “diga isto e aquilo para o seu irmão”, com pouquíssima exposição bíblica e malabarismos de sobra.

Prioriza-se a forma, em detrimento do conteúdo, o espetáculo, com detrimento da mensagem; o desempenho do pregador, em detrimento da eficácia da Palavra de Deus; o carisma em detrimento do caráter.

Enfim, a pregação do século XXI, em geral, é muito mais antropocêntrica do que cristocêntrica. E, como conseqüência disso, muitos crentes já não suportam a explanação da viva e eficaz Palavra do Senhor.

A pregação sem modismos é encarada como simples demais e enfadonha para esses tempos pós-modernos.

Os novos convertidos, por falta de ensino da são doutrina, querem movimento, animação, berros prolongados ao microfone, exibição teatral, entretenimento, etc.

A exposição verdadeiramente ungida das Escrituras perdeu a primazia. E quem critica a pregação interativa é considerado retrógrado, ultrapassado, invejoso, sem unção, inimigo do “mover de Deus” e cético. São tantos e tantos adjetivos...

Pois bem! Podem nos chamar de saudosistas, mas:

Houve um tempo em que os crentes gostavam de orar. Nessa época eles murmuravam pouco, por falta de tempo e de oportunidade e não perdiam nenhum ensejo para apresentar sua adoração, sua oração e sua intercessão diante do Trono do Pai.

Houve um tempo em que os cultos não eram um espetáculo, senão um cenáculo espiritual.

Houve um tempo em que os pastores se dedicavam à leitura da Palavra. Eles não se envolviam com política, nem secular nem eclesiástica. Eles não viviam obcecados por títulos e cargos, quer na sua comunidade, quer no âmbito nacional.

Houve um tempo que as Convenções eram convocadas para que os obreiros mais jovens ouvissem estudos bíblicos e experiências notáveis dos mais antigos, e assim eram fortalecidos e robustecidos: na fé e no ministério. Nesse tempo, ir a uma reunião convencional era um grande sonho, uma ardente paixão, um negócio de Deus.

Houve um tempo em que os presidentes não eram ditadores e os líderes não eram senhores de engenho. Todos viviam mergulhados no mar da graça misericordiosa do Senhor Jesus.

Houve um tempo a Casa de Deus não parecia com um sindicato, por ser exatamente uma assembléia dos santos.

Houve um tempo em que não havia nas igrejas círculo de oração, porque todos os crentes oravam, e não apenas uma meia-dúzia de irmãs abnegadas e de total renuncia.

Houve um tempo em que os jovens crentes não se enamoravam de senhoritas ímpias e assim o vírus do jugo desigual não se inoculava nos arraiais dos santos.

Houve um tempo em que não se cantava nem se pregava por dinheiro e assim a inspiração fluía sem tropeços, o púlpito não era balcão de barganhas e nem de aplausos para homens, porque o louvor se destinava exclusivamente a Deus.

Houve um tempo em que os cultos não eram shows, os ministros não eram artistas e os santos de Deus não eram galera.

Houve um tempo em que os compositores de hinos não eram sacoleiros, os cantores não tinham empresários e os pregadores não eram galãs.

Houve um tempo em que os crentes não deixavam de ir aos cultos por causa das novelas, as crianças não deixavam de ler a bíblia por causa dos videogames e os adolescentes não deixavam de jejuar por causa das lan-houses, dos facebooks, dos WhatsApps.

Houve um tempo em que jovens crentes se respeitavam mutuamente e deixavam as práticas de intimidade sexual para depois da cerimônia de matrimônio no altar sagrado.

Houve um tempo em que as moças crentes casavam virgens, os rapazes crentes eram abstinentes e os motéis não eram jamais por eles visitados.

Houve um tempo em que falar mal dos pastores era abominação e ser infiel a Deus era apostasia.

Houve um tempo em que se pregava a misericórdia, o perdão, o arrependimento e o juízo de Deus.

Houve um tempo em que a letra sacra dos hinos inspirados não era abafada pelo barulho ensurdecedor das baterias.

Houve um tempo em que os Congressos eram selados com batismo com o Espírito Santo e não com jogo de luzes, bem ao estilo Hollywood.

Houve um tempo em que não se pagava para ir a um evento evangélico, porque os pregadores e cantores não eram artistas.

Houve um tempo em que "os mais belos hinos e poesias foram feitos em tribulação" e os que os apresentavam ao público jamais sonharam comparadas de sucesso.

Houve um tempo em que ser pastor dependia basicamente de um chamado, uma vocação, um compromisso e um testemunho público perante a Noiva do Senhor Jesus.

Houve um tempo em que os itinerantes, especialmente aqueles que nunca pastorearam, respeitavam os pastores e se maravilhavam com o seu difícil e árduo labor.

Houve um tempo em que ganhar almas era um dever de cada membro da Igreja e excluir um membro da Igreja era uma tarefa dolorosa, sempre recebida com muita tristeza e temor.

Houve um tempo em que os pastores de Jerusalém não excluíam os membros dessa igreja porque visitaram a de Antioquia.

Houve um tempo em que mentir era pecado em qualquer lugar. Na Casa de Deus, então, era totalmente inaceitável.

Houve um tempo em que os líderes se respeitavam e se amavam; não se devoravam mutuamente.

Houve um tempo em que os peixes eram buscados lá fora, em alto mar, e não no aquário do vizinho mais próximo.

Houve um tempo em que as congregações não eram agências de empregos, isto é, não se oferecia vantagens para quem a elas aderisse.

Houve um tempo em que não se trocava um cartão de membro em uma igreja por uma vaga no diaconato noutra.

Houve um tempo em que rebelião não era algo chic. Era uma ofensa profunda à santidade de Deus e quem a praticava era dito pertencer a Satanás, o pai de todas as rebeliões.

Houve um tempo que as senhoras idosas não ensinavam as mais jovens a desobedecerem a seus maridos e assim as famílias eram mais estáveis.

Houve um tempo em que, no ato do convite para a salvação, não se chamava os pecadores de irmãos, e, sim, de amigos.

Houve um tempo em que ser humilde não estava fora de moda e ser simples não merecia agressões.

Houve um tempo em que ser fariseu soava estranho na Casa de Deus e jamais se veria ao menos um deles ser condecorado.

Houve um TEMPO em que jamais se sonhava que haveria OUTRO, tão diferente dele, que nem se poderia imaginar.

Pr. Ciro Zibordi
Pr. Geziel Gomes

Pb. João Placoná

segunda-feira, 5 de outubro de 2015

Deus não quer promessas, quer obediência.

promessas

Leia: Neemias 9:38 e Neemias 10:30-39

É nos dias de fartura que relaxamos e ficamos desprotegidos. Quando estamos vivendo no pasto verdejante é muito perigoso para nós (ovelhas), parece que não temos inimigos, ficamos desatentos.

A nossa única preocupação é comer, dormir, engordar e esquecemos que estamos rodeados de predadores.

Quando o momento é inverso, ou seja, quando estamos passando por dificuldades, buscamos mais ao Senhor e fazemos promessas.

Vem o arrependimento e o orgulho. A vaidade parece ser deixada de lado e nos transformamos em uma nova pessoa.

Quando as coisas melhoram novamente, nos esquecemos de tudo que foi prometido e o ciclo se repete.

Nós devemos manter nossas promessas a Deus tanto em tempos de adversidade quanto de prosperidade.

Nosso Deus disciplina e açoita a todo aquele que recebe por filho, aquele que Ele ama. Todo verdadeiro cristão deverá aprender a se submeter a Deus e aos seus métodos.

Precisamos ter disciplina e ordem, sem isso não há organização. A igreja precisa de disciplina, o povo precisa ser orientado o tempo todo para fazer as coisas certas. Existem pessoas na igreja que ainda não entenderam ou não querem entender.

Como não sabem viver a disciplina precisam fazer o treinamento de ensinamento. O papel do pastor é sempre trazer a disciplina. Ela é necessária, pois nos trás ordem e organização.

É importante que exista disciplina em tua casa, no teu trabalho, ou seja, em todo lugar, para que haja ordem e organização.

Os pais tem obrigação de ensinar a disciplina aos seus filhos para que haja ordem e organização no lar.

A disciplina é importante. Não podemos brincar com ela. Ela precisa ser cumprida de forma natural e não imposta.

A disciplina é algo bom para a nossa vida. Para conquistar nossos objetivos é preciso ter disciplina.

A palavra de Deus é o manual de como fazer, realizar e ser disciplinado. A bíblia questiona a conduta das pessoas, e mostra o comportamento que não devemos ter.

A bíblia nos ensina como fazer para viver o Reino de Deus. Ela não avalia as pessoas e sim a sua conduta. Nos mostra como fazer as coisas e nos guia ao caminho certo.

A bíblia não é um ritual que deve ficar aberta no Salmo 23, na sua estante. Ela precisa ser lida e estuda, pois ensina como Deus quer que façamos as coisas certas.

Mesmo que muitas vezes não possamos entender as coisas de Deus, devemos praticar pela fé. Desta forma o Reino de Deus estará em nós.

Nós não fazemos as coisas erradas porque a religião não nos permite, não fazemos a coisas erradas porque é Deus quem está conduzindo a nossa vida.

Nessa passagem bíblica do livro de Neemias, mencionada acima, o povo era escravo e estava por "baixo". Eles fizeram muitas promessas a Deus.

Quando estamos em dificuldades, agimos da mesma forma que eles, concordamos com tudo e fazemos promessas que não cumpriremos.

Não adianta de nada prometer as coisas a Deus e depois não cumprir. O Senhor quer nos ensinar fundamentos que esquecemos.

Cultuar ao Senhor, não é chegar atrasado à igreja, devemos chegar antes, orar, pedir perdão dos pecados e agradecer. Desta forma estamos preparados para cultuar e entrar na presença do Senhor.

Não podemos fazer as coisas de qualquer jeito. No seu trabalho ou nos seus compromissos, você chega no horário, não chega? Por que na casa de Deus você chega atrasado? Por que vai de qualquer jeito?

Nós, cristãos, devemos sempre ser o exemplo, e Neemias era. Este homem não era do tipo que dizia “faça o que eu mando, mas não o que eu faço”.

É lamentável quando os pais querem que os seus filhos assumam um compromisso que eles próprios nunca quiseram assumir.

Quando estamos em momentos de luta, prometemos e nos comprometemos com o Senhor. Mas, assim que as coisas melhoram nos esquecemos de Deus; da mesma forma que aconteceu na passagem de Neemias.

Vivemos numa época em que muitas pessoas não gostam de assumir compromissos. Quantas vezes ouvimos a Palavra, nos comprometemos com ela, mas logo a esquecemos? Basta lembrar as muitas promessas, não cumpridas, que já fizemos, no início de cada ano.

A carta de Neemias nos revela que isso é uma promessa de tolos. Precisamos compreender esses ensinamentos para não profanar a palavra de Deus.

Aquele povo era escravo, mas Deus trouxe todos para uma vida nova. Após um tempo eles se esqueceram de todas as promessas que foram feitas.

Devemos entender nossos erros e não cometê-los novamente. Não devemos ficar fazendo promessas que não poderão ser cumpridas.

Não é ficar fazendo promessas a Deus, mas ver onde estão os erros e corrigi-los.
Devemos nos arrepender dos nossos pecados e não repeti-los.

Servir ao Senhor com respeito e não com promessas, porque só respeitamos, quem nós amamos de verdade.

A gente só respeita quem a gente ama! Se você ama a Deus de verdade então, deve respeitá-lo.

Ser honesto, digno, fiel a Deus, respeito às autoridades e aos seus pais. Isso tudo, significa que tem amor por eles.

Deus não quer promessas, Ele quer pessoas que o respeitem.
Deus não quer promessas, Ele quer obediência.

Aprenda a maneira que Deus quer que nos comportemos diante dEle.

Se você não aceita as coisas erradas, então por que você acha que Deus as aceitará?

Por que Deus tem a obrigação de te abençoar se você faz tudo do seu jeito?

Pare com as promessas e tenha um relacionamento verdadeiro com Deus. Pare com as promessas e se envolva com Cristo.

Respeito a Deus é ter um tempo para Deus. Se você separar um tempo ao Senhor, cumpra-o. Não faça nada neste tempo, dedique-se apenas a Deus.

Devemos mudar de atitude para viver as bênçãos maiores de Deus.

Ouça e ponha em prática o que Espírito de Deus está lhe ensinando.

Pastor Marlon Góes

Pb. João Placoná

sábado, 3 de outubro de 2015

Epístola de Paulo às Igrejas do Brasil

Apóstolo Paulo

Imaginemos que um dia o apóstolo Paulo pudesse escrever uma Epístola à Igreja de Cristo no Brasil?  

O resultado abaixo é fictício, mas alguém tem alguma dúvida de que seria diferente do que passamos a apresentar?

Paulo, apóstolo, não da parte de homens, mas por Jesus Cristo e por Deus Pai a todos os santos e fiéis irmãos em Cristo Jesus, que se encontram em terras brasileiras, graça e paz a vós outros.

Exortações à Igreja

Rogo-vos para que não haja partidos entre vós. Mas vejo que é isso que está ocorrendo, pois uns dizem: sou de Malafaia, outros, pertenço a Macedo, outros, de Waldomiro, outros ainda, de Soares e outros, de Feliciano.

Quem é Malafaia? Quem é Macedo? Quem é Soares? Quem são eles?

Por acaso Cristo está dividido? Teria algum deles o monopólio da salvação?

Não são neles que devemos postar nossos olhos, mas em Cristo, o único que morreu por nós. Vejo que ainda sois meninos na fé, já que o propósito de cada um tem sido buscar bênçãos para si, visando os próprios interesses e não o fortalecimento do Corpo. Digo-vos que a maior benção já vos foi concedida na cruz quando fostes resgatados da morte e das trevas. Agora, aprendam a viver contentes e dai graças a Deus por tudo.

Sinais e Prodígios

Assim como os judeus pediam sinais em minha época, há muitos dentre vós que só pensam em prodígios e maravilhas: fazem correntes e marcam hora para as curas se efetuarem, e eu já havia advertido aos irmãos de Tessalônica que tão somente orassem o tempo todo, pois apenas Deus é quem sabe a hora de atender. Eu mesmo deixei Trófimo doente em Mileto, o amado Timóteo foi medicado enquanto esperava o Senhor curar sua gastrite, e Epafrodito adoeceu terrivelmente chegando mesmo às portas da morte. Por que entre vocês no Brasil seria diferente?

Outras admoestações

Tenho tomado conhecimento por meio da ação profética dos poucos irmãos que ainda repudiam e denunciam a apostasia em vosso meio, que no Brasil estão fazendo rituais para amarrar demônios e declarar que as cidades do Brasil são do Senhor Jesus. Nunca vistes isso em mim e em nenhum momento em Cristo. Pelo contrário, preguei o evangelho em Éfeso, mas a cidade continuou seguindo a deusa Diana.

No Areópago de Atenas riram e zombaram de minha pregação, e poucos aceitaram a palavra do evangelho; como eu iria dizer que Atenas era do Senhor Jesus?

Em Corinto, a prostituição continuou a dominar a cidade, e em Roma, as orgias e as dissoluções da família até se intensificaram no decorrer dos anos. Dizer que Roma pertencia ao Senhor Jesus seria uma frase que levaria ao engano os poucos irmãos verdadeiramente convertidos.

Na verdade muito me esforcei e fiz de tudo para salvar a alguns em Cristo. Nunca ensinei a reivindicar territórios, mas tão somente orava a Deus que me abrisse uma porta para pregar a Palavra.

Eu vos recomendo uma vez mais a que se lembrem de como procedi, demonstrando meu desejo de ganhar as almas para Cristo não através de “declarações proféticas” ou de “amarrações de principados”, mas orando pelas almas e principalmente pregando-lhes o evangelho de nosso redentor Jesus.

Cuidado com os falsos apóstolos. Há muitos homens gananciosos aparecendo no meio de vós no Brasil, dizendo que são apóstolos e criando hierarquias para exercer domínio uns sobre os outros, coisa que nunca aceitei e jamais preguei.

Por que tanta preocupação com títulos? Por que ninguém se contenta em ser chamado simplesmente servo?

Pois isso é o que realmente importa. Porventura a igreja brasileira esqueceu-se das Palavras do Mestre registradas em  “Mateus 20:26,27 “Não será assim entre vós; mas todo aquele que quiser entre vós fazer-se grande seja vosso serviçal; E, qualquer que entre vós quiser ser o primeiro, seja vosso servo;”?

Saibam, pois todos os filhos de Deus brasileiros que entre vós há muitos obreiros fraudulentos travestindo-se em apóstolos de Cristo. Já vos advertira que depois da minha partida, entre vós penetrariam lobos vorazes que não poupariam o rebanho de Cristo. Acaso não se lembram disso também?

Sobre os dons espirituais

Soube que muitos estão preocupados com os dons. É verdade que eles são importantes, mas o Espírito concede a cada um conforme melhor lhe convém. Tenho percebido que valorizam principalmente os dons sobrenaturais – como falar em línguas, visões, curas e revelações – e se esquecem que ensinar bem as Escrituras, administrar com zelo as coisas de Deus e promover socorro aos necessitados também são dons espirituais.

Mas o que eu quero mesmo é que estejais buscando para suas vidas o fruto do Espírito. De nada adianta ter fé suficiente para curar pessoas, transportar montes e expulsar demônios, se ficam devorando uns aos outros, se não têm amor, se provocam rixas e intrigas entre si e dão mau testemunho.

Soube também que em nome da busca e da manifestação desses dons, muitos praticam verdadeiras loucuras em pleno santuário de adoração a Deus, pregam histerias, gritam nos púlpitos, pulam, sapateiam, caem pelo chão, imitam animais, dão gargalhadas e escandalizam os de fora, em vez de ganhá-los para Cristo.

O que fizeram vós com tudo que recomendei em I Coríntios 14:26-30? Não está em vossas Bíblias? Ou simplesmente decidiram aceitar apenas o que lhes convém? Se aos Coríntios eu afirmei que eram carnais, não posso dizer outra coisa de vós.

Ofertas ao Senhor

Quanto às ofertas e sacrifícios, já falei por carta: no primeiro dia da semana, cada um separe segundo sua prosperidade. Nunca fiz leilão de bênçãos do Senhor, desafiando o povo a ofertar começando com 10 moedas de ouro até chegar ao que tinha um denário.

Alguns fizeram uso de peças de vestuário minhas e de Pedro para que os enfermos fossem curados, mas isso acontecia em circunstâncias específicas e nunca em troca de ofertas materiais.

O único sacrifício aceitável por Deus já foi feito na cruz pelo seu Filho Jesus, entendam isto brasileiros. Quando Deus me der oportunidade de visitar-vos quero conhecer os que estão se enriquecendo com o Evangelho e enfrentar-lhes face a face.

A piedade jamais pode ser fonte de lucro e se continuarem nessa sórdida ganância haverão de sofrer muitas dores e muitos se perderão eternamente.

A busca da verdadeira maturidade

É imprescindível que manejem bem a Palavra, pois chegou ao meu conhecimento que esta é uma geração tão ignorante nela que estão sendo enganados por lobos vorazes, que trazem enganos e sofismas, e a esses, de boa mente, vós tolerais. Uma multidão de novos fiéis tem sido formada em vosso meio sobre a base de um falso evangelho, e isso muito me preocupa.

Lembrem-se que quando preguei em Beréia o povo consultava a Palavra para ver se as coisas eram de fato assim. Por que não fazeis vós o mesmo? Por que aceitais em vosso meio novas revelações, unções e visões?

Porventura envelheceu o evangelho para que outro se fizesse necessário? Acaso estaria incompleta a Palavra de Deus, para que necessite do aperfeiçoamento de revelações complementares, oriundas de apóstolos questionáveis?

Ora, os ardis de satanás vêm sempre disfarçados na pregação de um anjo de luz. Vejo que entre vós há muitos acréscimos e deturpações daquilo que falei.

Admoesto-vos a que não ultrapasseis o que está escrito, ou graves serão as consequências em vossa vida espiritual e destino eterno.

As saudações pessoais

Rogo-vos, irmãos, que noteis bem aqueles que provocam divisões e escândalos; cuidado com os que pervertem a simplicidade do evangelho e o transformam em balcões de negócios, propondo barganhas com Deus e convencendo as mentes fracas a crerem numa mentirosa e diabólica associação entre fé e prosperidade. Afastai-vos deles, porque esses tais não servem a Cristo, e sim a seu próprio ventre e interesses pessoais. 

A bênção

Suportem dignamente a cruz de Cristo, que muito em breve há de vir buscar a Sua Igreja. A graça do Senhor Jesus Cristo, e o amor de Deus, e a comunhão do Espírito Santo sejam com todos vós no Brasil. No amor de Cristo, nosso eterno Salvador!

Finalmente

O que está escrito acima é fictício, mas alguém tem alguma dúvida de que seria diferente?

Pr. Reinaldo Ribeiro

Pb. João Placoná